Informação sobre anemia, causas, sintomas e tratamento da anemia, identificando o diagnóstico de cada tipo de anemia, como anemia aplástica, falciforme, ferropriva, hemolítica auto-imune, perniciosa, megaloblástica, de Fanconi, e outras.


quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

O que é a anemia falciforme

A anemia falciforme também conhecida como drepanocitose é uma patologia caracterizada por alteração genética nas hemácias devido à mutação do gene da globina beta da hemoglobina, sendo classificada como uma doença de caráter hereditário, ancestral e étnico.
A variabilidade genética que permite classificar determinadas doenças como raciais e étnicas, justificando a existência de doenças quase exclusivas de um grupo racial seja ele negro, branco ou amarelo (BRASIL, 2004). Oliveira (2003) complementa afirmando que essa diversidade genética aliada à interação ambiental dá conta de explicar a predisposição biológica que determinados grupos raciais/étnicos apresentam para certas patologias. A anemia falciforme devido à sua origem na África acaba sendo considerada como pertencente a um grupo social que compartilha a mesma ascendência e o mesmo conjunto genético, o que explica a sua alta incidência na população afrodescendente, constituída de pretos e pardos, conforme classificação do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE, 2001). No entanto não deve ser considerada exclusiva dessa população, uma vez que se trata de uma doença de transmissão mendeliana, ou seja, qualquer indivíduo pode tê-la desde que seus pais tenham a hemoglobina S no sangue.
Considerada como uma das doenças hematológicas hereditárias de maior prevalência no nosso meio, a anemia falciforme tem uma significativa importância epidemiológica, uma vez que acarreta uma elevada morbi-mortalidade quando não diagnosticada precoce e adequadamente. Devido à grande e heterogênea influência étnica africana em nosso país sua incidência varia de 1% em cidades do Sul podendo chegar até 5 ou 6% em outras cidades como é o caso da Bahia (NAOUM; NAOUM, 2004).



ACOMPANHE OS ARTIGOS DO BLOG NO SEU EMAIL