Informação sobre anemia, causas, sintomas e tratamento da anemia, identificando o diagnóstico de cada tipo de anemia, como anemia aplástica, falciforme, ferropriva, hemolítica auto-imune, perniciosa, megaloblástica, de Fanconi, e outras.


segunda-feira, 14 de maio de 2012

Anemia hemolítica auto-imune

Anemia hemolítica auto-imune é uma condição clínica incomum em que autoanticorpos se ligam à superfície dos eritrócitos, ocasionando sua destruição via sistema complemento ou sistema reticuloendotelial.
A AHAI é classificada de acordo com a temperatura de reatividade dos anticorpos aos eritrócitos.
Na anemia hemolítica auto-imune a quente, os autoanticorpos “quentes” reagem mais fortemente à temperatura corporal (37°C), sendo incapazes de aglutinar as hemácias, e a hemólise ocorre pela destruição pelo sistema reticuloendotelial. Na anemia hemolítica auto-imune a frio, os autoanticorpos “frios” se ligam aos eritrócitos em temperaturas entre 4-18°C, podendo levar à aglutinação de eritrócitos na circulação sanguínea, e, ao ser ativado o sistema complemento, ocorre a hemólise.
Na forma mista, os dois tipos de anticorpos coexistem.
A anemia hemolítica auto-imune também pode ser classificada com base em sua etiologia.
A anemia hemolítica auto-imune idiopática ou primária não apresenta correlação com doença de base, já a secundária está associada a doenças linfoproliferativas, imunodeficiências, uso de medicamentos ou neoplasias.
As doenças linfoproliferativas são responsáveis por mais da metade dos casos de anemia hemolítica auto-imune secundária. Nos pacientes com doença idiopática a prevalência é maior em mulheres, com pico entre a quarta e quinta décadas de vida.
Trata-se de condição rara, não havendo estudos disponíveis com dados de prevalência ou incidência nacionais ou internacionais.
ACOMPANHE OS ARTIGOS DO BLOG NO SEU EMAIL